Geração C

17/07/2008

O mundo se transforma, e em paralelo muda também, naturalmente, a forma de as pessoas se comunicarem. Já se fala agora em dois momentos distintos da história das comunicações: antes da internet e depois da internet. Os indivíduos que nasceram depois da internet, numa era em que a conexão à grande rede, os celulares e o download de músicas já eram comuns, têm sido chamados de Geração C.

“C” de conteúdo, de conectada, de colaboração e de “cash”: essa geração, perfeitamente integrada à Web 2.0, produz conteúdo — e começa a ganhar dinheiro com isso. Enquanto a informação gera dinheiro, o processo provoca uma mudança no capitalismo da forma como o conhecemos. Não existe Planejamento de Comunicação sem definição de público-alvo. Nesse ponto entra a necessidade de os comunicadores e profissionais de marketing analisarem a Geração C e repensarem a frase dita por Philip Kotler: “Pensar globalmente, agir localmente”. Onde fica a definição do que é global e o que é local, quando estamos falando de pessoas que passeiam por esses ambientes com total desenvoltura, sem medo de fazer uma viagem sem volta e sempre em busca de mais, valorizando ao máximo a sua liberdade?

Um interessante vídeo circula na internet (acima), exemplificando o que é a Geração C através de um menino chamado Rafinha, que tem 16 anos. Existem milhões de Rafinhas hoje. Eles falam com amigos no MSN enquanto baixam músicas no computador, que mais tarde colocarão em seus iPods para levar para aquela festa onde os amigos estarão reunidos. Cada um com seu iPod, juntos eles transformam até mesmo o trabalho original do DJ, conectando esses players, de tamanho semelhante ao de um isqueiro, a uma caixa de som não maior que um rádio de pilha dos anos 60 — que a maioria deles provavelmente só viu em filmes antigos. Cada iPod é um mundo de possibilidades e traz um setlist recheado de diferentes estilos musicais. Bem de acordo com as necessidades dessa geração.

Há muitas definições para a Geração C. Peter Marsh, diretor do Social Issues Research Center (SIRC — Centro de Pesquisas Sociais, organização sem fins lucrativos sediada em Oxford, no Reino Unido) analisou, em entrevista publicada no site Vnunet, que a geração em questão “cresceu sob as ideologias da Web, de acesso livre, cooperação, troca e compartilhamento de informações”, e que “o mesmo farão as gerações posteriores. Isso provocará alterações profundas em nossa sociedade”.

No site TrendWatchDaily encontra-se outra forma de se definir a Geração C. O veículo diz que ela “captura a avalanche de conteúdo gerado pelo usuário que está tomando forma na internet, adicionando ‘tera-peta bytes’ de novos textos, imagens, áudio e vídeo” (…)

O lado B da Geração C?

A Geração C inverte valores, ao tornar corriqueiro o que antes gerava estranheza. Para isso, analisemos o caso do Napster, que inaugurou a série de programas de compartilhamento de música que revolucionaria o mercado fonográfico e faria o mundo repensar os direitos autorais. Enquanto, em 2001, o escândalo era a violação dos direitos autorais que a novidade trazia, hoje o que é esquisito talvez seja acessar um programa desses e não encontrar o que se procura para baixar da internet.

O download revoluciona hábitos, como ir a uma loja de música ansiosamente em busca de um CD, ou ao cinema para assistir a um filme quem ninguém viu ainda. Para se conseguir fazer isso, recomenda-se não conversar com ninguém: se comentarmos sobre um filme que queremos ver, por exemplo, é muito provável que em algum momento um amigo diga que tem o DVD do filme em casa e pode nos emprestar. Ele já baixou o filme da internet. E com isso, inocentemente, nos rouba o prazer de ir correndo ao cinema saber antes dos outros como está a atuação de fulana ou a produção de ciclano. Mas se isso acontece é porque um dia tivemos o hábito de ir ao cinema, e não queremos perder isso: diferentemente da Geração C por definição, somos mais resistentes a transformações e nascemos numa época em que ainda não havia internet.

O Napster acabou, mas o princípio apresentado por ele parece imortal. Vieram depois o Audiogalaxy, Grokster, Morpheus e KaZaA, e ainda muitos outros. Morre o software, fica o conceito, muito mais difícil de quebrar — pois este sim muda paradigmas e introduz novas gerações.

Sobre esse possível “lado B” da Geração C, Marsh, do SIRC, apresenta seu ponto de vista. “Apesar de a tendência se focar nas implicações negativas da internet — gerações anti-sociais capazes apenas de se conectar pela internet, predadores em sites de comunidades virtuais, pirataria, spams, phishing e identity theft — nós acreditamos que, mesmo que esses problemas continuem, eles não irão predominar e um futuro mais positivo se apresentará mais à frente.

Adaptação

Ao sabor das mudanças, não é só a diversão que fica diferente. A maneira como trabalhamos também se modifica. Alguns artistas, por exemplo, preferem até mesmo que suas músicas cheguem até o público de graça pela internet, antes do lançamento de seu novo álbum, para que as pessoas conheçam o trabalho e, quem sabe, depois comprem o CD.

Para os comunicadores, a Geração C faz um alerta: se um dos “Cs” é de “conectada”, isso vai além de estar sempre na internet. Conexão aí envolve a união de várias mídias, que se completam. Os celulares, a TV e a internet formam uma boa tríade, por exemplo, para anunciantes atingirem o público desejado.

“Em vez de pedir aos consumidores que assistam, ouçam, joguem e consumam passivamente, o mote agora é incentivá-los a criar, produzir e participar”, diz o site Trendwatching. Os consumidores mais aptos a fazer isso são justamente os da Geração C, já acostumados às tecnologias, aos blogs, ao upload de conteúdo e à mobilidade, e até mesmo à exposição de suas fotos, músicas e outras preferências e informações pessoais na internet e em outras mídias. No entanto, ainda segundo o Trendwatching, a definição de Geração C não é tão restrita assim, e provavelmente todos nós, seres criativos e agora com liberdade de expor nossas criações, de certa forma fazemos parte dela ou podemos vir a fazer.

O Trendwatching dá vários exemplos de como a Geração C movimenta dinheiro ao gerar conteúdo. “Membros talentosos da Geração C são pagos por suas histórias, observações, artigos, fotos, músicas” (…) “Pense nos milhares de repórteres do OhMyNews na Coréia do Sul, nas dezenas de milhares de blogueiros criando marcas próprias”, diz o site, citando ainda o caso de um vídeo criado no iMac, usando o iMovie, que se mostrou “bom o suficiente para ser apresentado no festival de Sundance”.

Em meio a essas tendências, quem não se considera da Geração C pode tentar, ao menos e por enquanto, absorver algumas de suas características para conseguir sobreviver — e aproveitar — este mundo multimídia e 100% conectado: procurar não ter problemas com mudanças, transformações e adaptações. São elas, afinal, que agora ditam as regras — ou a falta delas.

Escrito por: Camila Leporace

Fonte: http://opiniaoenoticia.com.br/opiniao/artigos/geracao-c/

Um comentário sobre “Geração C

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s